DestaqueMMAUFC

A Trajetória de Anderson Silva no UFC

Vídeo com os melhores momento de Anderson Silva no UFC.

Conheça a história de Anderson Silva dentro do UFC.

A estréia no UFC.

Em 2006, Anderson Silva passou a lutar no UFC sua estréia foi no evento Ultimate Fight Night 5 nos Estados Unidos. No dia 28 de junho de 2006, sua estreia, saiu vitorioso sobre Chris Leben, até então invencível. Anderson nocauteou-o aos 49 segundos do primeiro round, a luta mais rápida de sua carreira e uma das únicas que o lutador teve 100% de acurácia. Nota-se que Anderson era um lutador até então relativamente pouco conhecido nos Estados Unidos, e que Leben previu que o mesmo ia nocautear Silva numa entrevista antes da luta.
A conquista do cinturão
Depois da luta contra Leben, uma enquete no site do UFC foi feita para escolher quem seria o próximo oponente de Anderson. A maioria dos votos foi para o até então campeão dos pesos médios, Rich Franklin. Ao dia 14 de outubro de 2006, no UFC 64, Anderson Silva teve a oportunidade de disputar o cinturão da categoria de pesos médios no UFC, onde venceu no primeiro round de forma arrasadora. Essa luta é considerada como uma das melhores de sua carreira, pois Anderson mostrou fantásticos movimentos e golpes como joelhadas e chutes. Anderson prendeu Rich em seu clinch e desferiu vários golpes e aos três minutos e cinquenta e três segundos do primeiro round, Franklin esquivou-se de um dos socos de Anderson antes de cair no chão e decretar a vitória do brasileiro.13 Ele foi o segundo oponente que derrotou Franklin, depois de Lyoto Machida.

Defesas do Cinturão
Anderson Silva é considerado por muitas pessoas o melhor lutador de todos os tempos. Ele possui o maior recorde de nocautes na história do UFC (quinze) e a maior precisão no ringue (cerca de 67,5%). Ele se encontra invicto no UFC e possui dezesseis vitórias seguidas no evento, incluindo onze vitórias de título e dez defesas de cinturão.

UFC 67
Em 3 de fevereiro de 2007, no UFC 67, Anderson estava programado para lutar contra o vencedor do reality show “The Ultimate Fighter 4” Travis Lutter. Essa seria sua primeira luta depois da sua conquista de cinturão contra Rich Franklin, em outubro de 2006. Contudo, o adversário se apresentou acima do limite do peso da categoria dos pesos médios (84 quilos) e a luta então não foi considerada como a principal. Nessa luta, muitas pessoas acreditavam que a melhor maneira de Lutter ganhar era mandando Anderson para o chão, mostrando suas habilidades de faixa-preta de jiu-jítsu. Anderson Silva, entretanto, venceu o adversário com uma combinação de triângulo e de cotoveladas no segundo assalto.

UFC 73
Na luta seguinte, no UFC 73, em 7 de julho de 2007, Anderson defendeu com sucesso seu título contra Nate Marquardt, vencendo por nocaute técnico em 4:50 do primeiro assalto. Anderson até então já tinha ganhado uma certa popularidade nos Estados Unidos, mas Nate possuía um certo favoritismo, principalmente por causa de sua habilidade de ganhar lutas no chão e por ter ganhado seis lutas seguidas. Essa foi a segunda derrota dele depois de lutar contra Ricardo Almeida (lutador).

UFC 77
Três meses depois, no dia 20 de outubro de 2007 no UFC 77, Anderson lutou uma revanche de defesa do título contra o americano Rich Franklin, lutador que havia perdido o título, em sua cidade natal, Cincinnati. Anderson defendeu seu cinturão ao derrotar Franklin por nocaute técnico no segundo round, onde surpreendeu todos ao mostrar suas habilidades de trocação e de se esquivar com as mãos abaixadas. Essa foi considerada uma das suas melhoras lutas de todos os tempos e ganhou um bônus de nocaute da noite.
UFC 82
No dia 1 de março de 2008, no UFC 82, Silva lutou contra o campeão dos pesos médios do Pride Fighting Championships, Dan Henderson, em uma disputa de unificação de títulos (títulos do UFC e Pride). Novamente, muitas pessoas pensaram que Henderson poderia ganhar e teria uma certa vantagem no chão, mas Anderson defendeu o seu título ao derrotar Henderson com um mata-leão no segundo assalto.14 Essa foi uma surpresa porque Henderson havia completado as olimpíadas de 1992 e 1996 no estilo da luta greco-romana.

UFC Fight Night: Silva vs Irvin
Cerca de quatro meses depois, no “UFC Fight Night 4” em 19 de julho de 2008, Silva fez sua estreia nos meio-pesados contra James Irvin. Anderson venceu por nocaute no primeiro minuto do primeiro round, mostrando leveza, rapidez e agressividade, mesmo lutando numa nova categoria de peso. Anderson pegou a perna esquerda de Irvin com a sua mão esquerda e devolveu um soco direto que fez com que Irvin caísse no chão. Anderson finalizou a luta dando mais alguns socos em Irvin, que estava inconsciente.15
UFC 90: Silva vs Côté
Após a unificação dos títulos, em 25 de outubro de 2008 no UFC 90 em Chicago, Anderson Silva voltou a defender seu título dos médios, desta vez contra Patrick Côté. No terceiro assalto, Côté sentiu dores no joelho após desferir um chute. O árbitro Herb Dean declarou a luta encerrada pois Patrick Côté não poderia continuar a luta, e declarou vitória de Anderson Silva por nocaute técnico. 16
Após a luta, Anderson foi criticado por parecer estar desviando contato de Côté.17 O próprio presidente do UFC, Dana White, censurou a atitude de Anderson, falando “Eu não entendi as táticas de Silva… Esse não foi o Anderson Silva que eu estou acostumado a ver nos últimos dois anos.”

UFC 97: Silva vs Leites
No dia 18 de abril de 2009, no UFC 97, Anderson lutou e venceu Thales Leites por decisão unânime, defendendo seu cinturão e obtendo sua nona vitória consecutiva no UFC, recorde do evento. Thales Leites foi o único homem até então na história do UFC a lutar com Anderson Silva nos cinco rounds seguidos até a decisão dos juízes. A multidão vaiou várias vezes o desempenho sem brilho de Anderson, sua expressão entediada e suas tentativas frustradas de incitar o seu adversário na luta. No quarto e quinto assalto, Anderson chegou a dançar e baixar a guarda, golpeando o adversário sem que houvesse retaliação.18 Após a luta, Dana White afirmou que estava “envergonhado” pela performance de Anderson, mas que ainda acreditava que ele era o melhor lutador de pound-for-pound do mundo.

UFC 101: Silva vs Griffin
No UFC 101, Silva mais uma vez lutou nos meio-pesados, desta vez contra o ex-campeão da categoria Forrest Griffin. Griffin foi derrubado três vezes no primeiro assalto. Após o terceiro knockdown, Forrest sinalizou que ele estava acabado, e Silva foi declarado vencedor por nocaute. Essa é considerada uma das melhores lutas de sua carreira,19 e ganhou o prêmio de “Beatdown of the Year” pela Sherdog.
Depois de derrotar Griffin, uma repórter do Yahoo! Sports alegou que o empresário de Anderson, Ed Soares, tinha confirmado que Anderson iria abandonar a categoria de pesos médios para passar para a de meio-pesado. Entretanto, o próprio Soares e um trabalhador do UFC negaram essa conversação: Anderson não iria abandonar seu título somente para lutar exclusivamente na categoria de meio-pesado.

UFC 112: Silva vs Demian Maia
Anderson era esperado para lutar contra Vitor Belfort no dia 2 de janeiro de 2010, no UFC 108. Porém, Ed Soares anunciou que a luta não iria ser realizada até Silva recuperar-se completamente da cirurgia. A luta então foi adiada para o dia 6 de fevereiro de 2010, no UFC 109. A luta, entretanto, estava dependente da saúde de Anderson, que, segundo o mesmo, “não estava bem como planejada”. A luta foi cancelada devido à lenta recuperação de Anderson. Os dois iriam lutar novamente no dia 10 de abril de 2010 no UFC 112, mas foi cancelada novamente devido a um ferimento, agora com Belfort. Demian Maia foi selecionado para completar a vaga e lutar contra Anderson pelo cinturão.
Em Abu Dhabi, no UFC 112, Anderson ganhou do brasileiro Demian Maia por decisão unânime dos juízes. A luta foi criticada mundialmente pelo desleixo de Anderson durante a luta e pelo fato de não ter nocauteado o adversário.20 Anderson chegou a ser advertido pelo juiz por sua conduta, e no quinto round a plateia começou a apoiar Demian Maia, que parecia ser o único lutador que estava com vontade de partir para cima. O presidente do UFC Dana White disse que se sentia envergonhado e decepcionado com a apresentação de Anderson, após casar essa luta em um dos maiores evento de UFC da história, economicamente falando e principalmente por ter sido o evento de estréia em Abu Dhabi, onde se esperava um show e não uma luta daquela como evento principal.21
Imediatamente depois da luta, Anderson desculpou-se e viu que ele não era o mesmo e que teria que correr atrás para reavaliar a humildade que tinha levado ele a onde ele estava agora. Depois de um certo tempo, Anderson fez várias referências do fato de como Maia o insultou antes da luta.

UFC 117: Silva vs Sonnen
Depois dessa luta, Anderson era esperado para lutar contra o americano Chael Sonnen para o cinturão dos pesos médios no UFC 117, no dia 7 de agosto de 2010. No primeiro round, Sonnen aturdiu Anderson com um soco depois de levá-lo para baixo e dominar na posição, dando vários golpes. Os três rounds seguiram em um estilo similar, com Anderson indo para o chão cedo e Sonnen controlando Anderson no chão dentro da guarda de Anderson. No quinto round, Anderson caiu depois de ser atingido por um gancho de esquerda de Sonnen, e o mesmo levou vantagem e novamente foi para cima, dando golpes em Anderson. Com cerca de dois minutos restantes, Anderson conseguiu um Armlock após aplicar um triângulo de perna, forçando Sonnen a pedir arrego aos três minutos e dez segundos do round 5. 22
Anderson foi golpeado mais nessa luta do que em sua carreira inteira. De acordo com um banco de dados do CompuStrike, em todas suas lutas no UFC, Anderson foi golpeado 208 vezes. Somente nessa luta, Sonnen golpeou-o um total de 289 vezes.23 Depois da luta, foi revelado que Sonnen teria ganho numa decisão de juízes. Todos os três juízes marcaram Sonnen como o ganhador de todos os quatro rounds. De qualquer forma, Sonnen perderia seu título, pois foi pego exame antidoping e suspenso pela Comissão Atlética.
Nesta luta, Anderson afirmou ter lutado com a costela trincada, contra as recomendações de seu médico. Durante o primeiro round, Sonnen quebrou a costela e Anderson ficou fora dos ringues até 2011 por causa dessa injúria. Após a luta foi confirmado que Sonnen testou positivo para substâncias dopamtez. Testes de doping revelaram que Sonnen tinha uma proporção elevada de testosterona no seu corpo na luta com Anderson (um resultado que é consistente com um terapia de relocação de testosterona), ou seja, ele foi “pego” no exame antidopping. Entretanto, a mesma companhia depois confirmou que os níveis de testosterona de Sonnen estavam condizentes. Dana White anunciou que Sonnen teria uma revanche com Anderson quando o mesmo retornasse. Esse fato foi revocado depois do problema dessas substâncias, mas White anunciou que Sonnen teria sua revanche depois de ganhar duas lutas seguidas, o que só aconteceria em 2012.
UFC 126: Silva vs Belfort
Sendo assim, Silva defendeu e manteve o cinturão dos médios no UFC 126, que aconteceu no dia 6 de fevereiro de 2011, em Las Vegas, onde ele lutou contra o compatriota Vítor Belfort. A luta durou pouco menos de quatro minutos. Nos dois primeiros minutos, Vitor e Anderson estavam estudando-se, e após isso eles começaram a trocação direta. Aos três minutos e vinte e cinco segundos, Belfort foi nocauteado por um forte chute frontal no rosto disparado por Silva, antes de alguns socos.24 , nessa luta Silva ganhou o bônus de nocaute da noite e posteriormente nocaute do ano.
UFC 134: Silva vs Okami
Na cidade do Rio de Janeiro, no UFC 134, dia 27 de agosto de 2011, Anderson Silva mais uma vez defendeu seu título, desta vez contra Yushin Okami. Essa foi uma revanche entre os dois lutadores, uma vez que Okami foi o último lutador a vencer Anderson Silva. No segundo round, Anderson derrubou Okami duas vezes. Na segunda vez, Anderson golpeou o adversário e o nocauteou aos dois minutos e quatro segundos, defendendo assim seu título pela nona vez e vencendo sua décima quarta luta no UFC.25 Essa luta foi considerada uma das melhores de sua carreira, mostrando certa semelhança com a vitória dele sobre Forrest Griffin.
UFC 148: Silva vs Sonnen 2
Anderson Silva enfrentou novamente seu principal desafeto, o americano Chael Sonnen, numa revanche ocorrida no UFC 148, dia 7 de julho, em Las Vegas. O “Spider” já era considerado o grande favorito para vencer a luta, principalmente pelo fato de, na primeira luta entre eles, Anderson ter lutado com uma lesão na costela e ainda assim ter vencido, por finalização, o falastrão lutador americano, que na ocasião dominou o combate durante 4 rounds e meio, se tornando o único dentro do UFC que quase venceu Anderson Silva, mas depois caiu no exame anti-dopping.26
O clima pré-luta foi tenso. Após Anderson ter se silenciado sobre todas as críticas de Sonnen desde a última vez que eles confrontaram no ano de 2010, o lutador desabafou, xingando e provocando Sonnen27 28 em uma entrevista coletiva. Algumas de suas frases são:
“Eu vou bater nele, vou bater nele, ele vai tentar me agarrar, vou continuar batendo nele até ele desistir. Acho que a luta acaba no primeiro round. Não tem jogo nenhum. Acabou a brincadeira, ele pode ficar falando bobagem, mas acabou. Sábado, muita coisa vai mudar. Para ele me bater em pé tem que ser mágico, impossível me bater. Vocês não tão entendendo o que vai acontecer. O Chael (Sonnen), em outras palavras, está ferrado.”
Nesse dia, Chael Sonnen permaneceu quieto, parecendo chocado com a reação repentina de Anderson (juntamente com todos da sala de imprensa, inclusive os dirigentes do UFC), mas depois de alguns dias o desafiante americano não ignorou a mágoa e não ficou desanimado e também provocou o brasileiro, falando que será o “seu funeral”.29 O próprio presidente do UFC Dana White falou que está muito ansioso para o confronto,30 que vem sendo considerado por muitos a luta do século e a maior rivalidade da história do UFC.31
No primeiro assalto, apesar do domínio de Sonnen, que levou a luta pro chão e permaneceu montado até o final do round, desferindo vários golpes, socos e cotoveladas, Anderson demonstrou calma e serenidade, amarrando a luta até o final do assalto. No segundo round, Anderson utilizou de duas perfeitas esquivas desequilibrando Sonnen que caiu quando sua cotovelada giratória passou no vazio. No chão, sem saber o que fazer, Sonnen recebeu uma joelhada certeira no peito e, na sequência, diversos socos de Anderson, que culminaram no nocaute técnico de Sonnen.32
Ao final da luta, Anderson surpreendeu, reverenciando o adversário e pedindo aos brasileiros presentes no MGM Grand Arena para aplaudir Chael.33 Depois convidou-o para um churrasco na sua casa, aceito pelo rival em tom cômico. Chael rendeu-se ao campeão e aos brasileiros, tomando uma atitude respeitosa, bastante diferente daquela que era habituado a tomar.34 Na entrevista após a luta, Anderson ainda queria fazer mais história no UFC. “Tenho muita motivação. O fato de estar aqui podendo fazer o que gosto. Todo mundo teve o privilégio de ver o que foi a pesagem. A gente nunca teve isso na história do UFC. E poder estar do lado desses caras que fazem história. Antes de eu pensar em lutar, Tito já estava aqui fazendo história”.35
Após a luta, o presidente Dana White rendeu-se ao campeão. “Ele é o meu lutador favorito de todos os tempos. É tão duro (no octógono) quanto é para se lidar com ele. Simplesmente adoro isso, adoro lidar com esse cara”.36
UFC Rio III: Silva vs Bonnar
Devido a uma série de imprevistos em relação à luta principal do UFC 153, que originalmente seria feita por José Aldo que se lesionou e não pôde fazer a luta contra Frankie Edgar, o UFC se viu obrigado a mudar de lutadores e de contestantes. Anderson Silva teve de subir de categoria – de pesos médios para meio pesado – para enfrentar Stephan Bonnar, na noite do dia 14 de outubro de 2012. Stephan estava até então com uma sequência de três vitórias seguidas. Anderson, porém, com uma vitória impressionante, derrotou Bonnar com um nocaute técnico ainda no primeiro round, aos quatro minutos. Demonstrando calma e superioridade impressionantes, Anderson nocauteou Bonnar depois de uma joelhada perfeita no plexo, culminando em mais um nocaute técnico em sua vitoriosa carreira. Nessa luta, Anderson de uma certa forma provocou o adversário. Durante a luta, Bonnar tentou colocar Anderson ao chão, que era supostamente onde Bonnar teria alguma chance, mas Anderson acabou ficando na grade. Depois que ele desvencilhou de Bonnar, ele permaneceu encostado à grade, fazendo com que o adversário ficasse sem reações37 .
Pouco tempo depois, comprovou-se que Bonnar havia lutado esta luta sobre efeito de anabolizantes. Em entrevista, Bonnar confirmou que realmente lutou dopado.
“Não sou idiota. Tinha pouco mais de três semanas para me preparar e 16kg para perder. Não faria sentido ter tomado coisas ilícitas um mês antes e torcer para que nada acontecesse. Não tinha jeito. O teste (antidoping) acusou algo que já estava acumulado. Não vou ficar com papo de arrependido e dizer “Dana, me dê outra chance”. Fiz merda e assumo. Coloquei o rabo entre as pernas e deixei o assunto esfriar um pouco para falar sobre.”38
— Bonnar
Derrota e perda do cinturão – UFC 162: Silva vs. Weidman
Após 17 vitórias seguidas e 10 defesas de título consecutivas, Anderson Silva foi nocauteado pela primeira vez na carreira, ao perder o cinturão para Chris Weidman no UFC 162, que aconteceu no dia 6 de julho de 2013. Anderson foi derrubado e castigado no primeiro round, e quase foi pego em uma chave de pé. Ainda no fim do primeiro round, Anderson provocava seu adversário com excessivas fintas, esquivas e dialogos com seu adversário. No segundo round, Anderson continuou com as provocações, após baixar a guarda, até fingiu estar tonto, porém errou em uma esquiva na sequencia e foi acertado por um gancho de esquerda do americano. Na entrevista após a luta, Anderson anunciou que abriu mão de lutas pelo cinturão e deixou uma aposentadoria em aberto39 40 :
Não quero a revanche, o Chris é o campeão agora. Todo mundo precisa respeitá-lo agora. Não luto mais por cinturão. Venho trabalhando duro por muito tempo. Preciso relaxar, ficar com minha família
Isso é uma aposentadoria? Talvez. Agora meu foco é voltar para casa. É claro que ninguém gosta de perder, é um esporte, todo mundo tem que respeitar o Chris. Agora estou inteiro, foi nocaute normal, entrou para a história. Estou feliz. O que eu faço ou pretendo fazer da minha é continuar lutando com amor e carinho. Sempre luto dessa forma. Tentei induzir ele a fazer o que eu queria. Às vezes a gente ganha e às vezes perde. O cinturão tinha que continuar no Brasil. Uma pena.

 

Previous post

Cinco adversários para encarar o campeão do UFC Chris Weidman

Next post

Vídeo: Bastidores do UFC 162

No Comment

Leave a reply

World Combat